segunda-feira, 13 de abril de 2009

O Caso do Queijo Derretido

Nos domingos sempre vou para a casa dos meus pais, e ontem não foi diferente. Acordei desejando queijo derretido com pão. Não era sanduiche, não era pão com queijo no microondas. Era derreter o queijo na frigideira e colocar no pão. Hummmm...
Daí, né que eu preferi tomar café na casa da mamãe. Café da mamãe é incomparável. Incomparável também são os paparicos da mamãe, mas isso é um capítulo a parte. Pois bem, cheguei na casa da mamãe e corri pra geladeira pra fazer meu queijo derretido. Pronto, feito. Era a ultima fatia de queijo, que sorte a minha. Pois bem que ao pegar a frigideira, o cabo quente me assustou e eu soltei ela no chão.
Pára tudo. Quando eu vi meu queijo no chão, tão lindo, tão derretido, tão meu, caí em lágrimas. Gente, eu chorei que solucei. E minha mãe crente que eu tinha era me queimado. Entre um soluço e outro, eu expliquei que o choro era por causa do meu queijo que caiu e ela como a mãe incomparável que é, e vó hiper babona mandou que meu pai fosse atrás de queijo pra mim.
Lógico que o sabor do queijo substituto nem se compara aquele queijo que caiu. Mas enfim, pelo menos eu parei de chorar.

Só não me pergunte porque eu chorei, porque isso nem eu sei responder.