quarta-feira, 30 de dezembro de 2009


Obrigada 2009 por ter sido o melhor ano do resto da minha vida.
Em 2009 a minha vida deixou de ser minha e passou a ser de um pequeno ser que cresceu e se desenvolveu dentro de mim. Um coração começou a bater dentro de mim. E não era o meu coração, era o da minha vida. Eu posso resumir sem exitar, pra mim 2009 o meu ano foi o meu filho.
Em 2009 eu descobri que Deus existe. Meu filho me fez acreditar que Deus realmente existe. E agora, só quero agradecer por todo o ano maravilhoso em que Deus protegeu meu filho, e me ajudou a ter forças pra superar muitas dificuldades que passei.
Em 2009 eu tive porres memoráveis, daqueles que até a Amy Winehouse se convidaria pra participar. Em 2009 eu dirigi bêbada, sem me importar com a minha vida ou com a vida de quem quer que fosse. Em 2009 eu fiz sexo pra desentressar, eu me estressei com coisas minimas, eu me importei demais com coisas banais. Em 2009 eu larguei vícios. Em 2009 eu tive uma tarde de amor intenso que resultou em um amor pra vida toda. Em 2009 um par de listras rosas verticais me disseram numa noite chuvosa que eu seria mãe. Em 2009 nasceu uma mãe. Em 2009 eu chorei insesantes vezes por motivos nenhum. Em 2009 me vi abrindo mão de roupas caras, passeios luxuosos só pra dá tudo do bom e do melhor que alguém que até então eu nunca havia visto o rosto merecesse. Em 2009 eu me vi engordando, trocando uma cintura que eu exibia com tanto orgulho por formas arredondadas e ainda sim, me achando a mulher mais linda do mundo. Em 2009 em me desfiz de longas madeixas loiras, que deram lugar a um corte prático. Em 2009 ganhei amigas com quem ganha algo que faltava há muito em sua vida. Ju, Dri, Dani Donda, Dani Morais EU AMO VOCÊS! Em 2009 eu vi o milagre da vida. Em 2009 eu dei a luz. Em 2009 um pequeno homem tomou conta de todas as lacunas, de todos os sentimentos, me fez amar-me mais, me fez querer ser alguém bem melhor. Em 2009 nasceu meu filho. É, 2009, sem dúvidas, foi o ano da minha vida.



terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Caaaalma, tô viva! Tô bem! Tô feliiiiz...
O primeiro Natal do Theo foi ótimo, ele dormiu às 20hs, e só acordou no outro dia. Quando o tempo aqui tá friozinho, ele costuma dormir melhor (entenda: dormir mais). A lontra da mamãe dele não quis mexer com ele e acabou que não tirou fotinhas do rebento.
Volto depois com mais calma pra fazer o último post de 2009 aqui no Drama Gratuito. Posso falar? 200INOVE foi o melhor ano do resto de nossas vidas...

Fotos do Natal:

As dinhas do Theo e a mamãe do Theo :]


Mamãe com uma baita ressaca, e o filhote galã!

É amor demais!

Fez um solzinho gostoso no domingo, levamos Theo pra passear!

Gente, tem tanta foto linda do Theo que eu gostaria de compartilhar com vocês, mas acabo nem pondo por questão de segurança. Me adicionem no orkut que eu ponho todas lá.

Ah, e que linda a homenagem no blog da Dani Donda, ameeeeeeeeeeei demais! Amiga, saiba que é reciproco. Adoro você!
E obrigada a todas as mensagens que recebi no post passado. Theo nunca mais me deu susto, e agora é só sorrisos, literalmente.


terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Sexta feira passada tinha tudo pra ser um dia ótimo, mas quase que foi o dia mais triste da minha vida. Eu, por muito pouco, não perdi meu filho. Theo começou a chorar compulsivamente por volta das 6hs, o que é de praxe! Dei um banho nele como de costume, e quando o retirei da água ele se engasgou e desmaiou. Bateu o desespero de imediato! Minha mãe fez tudo que podia pra que ele voltasse a respirar, conseguiu, mas foi os 20 segundos mais desesperadores da minha vida. Ela fez respiração boca a boca, ele deu um urro, e começou a chorar. Mas a 'muleira' dele baixou, e levamos ele as pressas para a urgência infantil do plano de saúde dele. Aliás, nota dez pro atendimento que foi super rápido! O médico solicitou um raio x pra saber a quantidade de líquido nos pulmõeszinhos dele. Amigas, durante todo o tempo eu não consegui manter a calma, chorava muito, e rezava pra que Deus não levasse meu filho. Eu não queria cogitar a hipotese de perde-lo! Graças a Deus, minha mãe matenve a calma juntamente com o Bráulio, e fizeram o correto. Theo voltou pra casa no mesmo dia, mas o médico pediu que observassemos alguma anomalia.
Agora ele tá bem, se engasgou com a própria saliva, e desde então tomamos o maior cuidado pra que não aconteça novamente.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Sabe quando você tem tanto a dizer, mas não pode, não deve, não quer? Eu sei.
Tá me sufocando. Tô de saco cheio!

sábado, 5 de dezembro de 2009



Theo e eu estamos na casa dos vovôs paternos, mas não poderíamos deixar de fazer o nosso post para o nosso amigo oculto.

A nossa amiga mamãe oculta tem um cantinho lindo! Tem um blog novinho em folha. Tem duas princesas lindas que têm um sorriso de abrir um coração. Confesso que nunca tinha visitado o seu cantinho, mas com certeza ela está ali do lado direito do meu blog, e também do lado esquerdo do meu peito.

Tatiana, eu nunca gostei do final de ano. Natal sempre foi uma coisa alheia pra mim, respeitava o motivo da comemoração, mas não me apegava a data. Tudo mudou esse ano, eu virei mãe e agora, como mágica, o natal tem todo um significado especial pra mim. É vida! E eu ganhei vida quando tive meu filho. Eu agora só quero fazer de todos os natais de todos os anos da minha vida e da dele o mais especial o possível, e você como mãe deve entender o que eu digo.

Parabéns por sua família linda.

E o livro que eu sugiro são os Clássicos da Disney. Eu tive todos quando criança, canto as músiquinhas e conto as histórinhas pra meu Theo. Tenho certeza que suas princesas vão adorar!

Beijão, e foi um prazer escrever pra você.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

#O que tem na bolsa do bebê?


Nas vezes que saí com o Theo sempre achei uma graça a parafermália toda que carregamos. É a bolsa, a bolsa térmica com as mamadeiras, a minha bolsa, o bebê. É quase uma muda toda, gente!
A Dani Gata fez um post a respeito da que levamos na bolsa do bebê que eu adorei! A Bibi Elias também fez um post sobre a bolsa, e agora aqui vai o meu!

Theo e Eu nunca passamos muito tempo fora de casa. Até agora ele só saiu para o pediatra, e para o shopping, mas sempre coisa rápida. Por coincidência, amanhã nós iremos passar o dia na casa dos pais do Bráulio, e aí sim vai ser uma muda todinha!

O que tem na bolsa do meu bebê?
Se for rápido:

- 3 fraldas descartáveis
- 2 fraldas de pano
- 2 pares de meinhas
- 1 cueiro
- 1 trocador
- 1 cartão do bebê
- bolsa térmica com duas mamadeiras (a pequena que é que ele mama e a média com água quente)
- potinho com leite em pó
- lenço umedecido
- chupeta
- absorvente pro meu peito
- bomba de extrair leite


Se for pra passar o dia:

- 10 fraldas descartáveis
- 5 fraldas de pano
- 3 cueiros
- 2 pares de meinhas
- 1 trocador
- 2 mudinha de roupa
- 2 blusinhas
- hipóglos
- sabonete
- shampoo
- toalhinha
- lenço umedecido
- uma necesserie com: sorine infantil, tylenol baby, remédio de cólica, cotonete, algodão.
- a bolsa térmica com as duas mamadeiras
- leite em pó
- potinho com erva de alfazema ou erva doce
- bomba de extrair leite
- escovinha de cabelo (qual?!)

Acho que é 'só' isso, mas se eu lembrar de algo volto e edito o post!

Ah, e minha bolsa?!
Ora, é a minha bolsa linda da carmin com três alças que eu terminei de pagar mês passado.
A bolsa do Theo quem carrega é o Bráulio! HEHEHE

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

#Miss Mother, e o fim do resguardo;


Na gravidez engordei 15kg, pulei de um manequim 38 para um 44 em algumas semanas. As famigeradas estrias deram o ar da graça depois da trigésima semana, e olha, não foram poucas não.
Assim que eu tive o Theo, por muito pouco não entrei em depressão. Era o problema da amamentação, a insegurança, e a aparência. Superei tudo isso, mas a aparência ainda é algo que me incomoda um pouco. Nunca achei que fosse muito vaidosa, mas percebi que me importo sim! Nos primeiros dias do resguardo, andava pela casa de havaianas, camisolas, franja presa no alto da cabeça e um coque à la doméstica. Bráulio chegava e lá estava eu, parecendo uma velha. Uns 15 dias depois do parto, tive coragem para reabrir meu guarda roupa antes da gravidez. As blusas não serviam por causa do tamanho das mamas, as calças e shorts então nem se fala! Percebi que aquilo se arrastando pela casa não era eu! Que o Bráulio e meu filho mereciam tudo de melhor de mim. Comprei alguns cremes para suavizar as estrias, arrumei o cabelo, e passei a me cuidar. Hoje, 40 dias depois do parto, visto manequim 40, peso 64kg, dos quais ainda quero perder esses 4kg e não saio de casa sem um blush e um batom.
Eu sei, é o momento do Theo, são dias e instantes que não voltam mais, e que eu vou ter todo tempo do mundo pra voltar a antiga forma física. Mas sabendo conciliar, ter uma boa educação alimentar e bebendo bastante líquidos, consigo amamentar meu filhote e reduzir pesos e medidas.
Meu filhote é a coisa mais linda desse mundo, e merece uma mamãe arrumadinha. E também, resguardo acabou... LALALALA (rs)







E vocês meninas, como foi ou esta sendo a volta a antiga forma antes da gravidez?

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Eu fecho os olhos nesse exato momento, e lembro de todo aquele sábado de 30 de novembro de 2008. Lembro do despertador do celular tocando Just Like Heaven do The Cure, e eu respirando fundo. Pronto, é hoje, eu repeti pra mim para que toda a coragem, força e esperança dos dias anteriores se acumulassem em mim. Eu lembro que era um dia nublado, e eu preferi ir a pé pro trabalho para que cada idéia se empreguinasse em mim e não se perdesse de forma alguma na ‘hora H’. Eu lembro de entrar no MSN e procurar pela amiga que me ajudou sempre me ouvindo, aconselhando e ao mesmo tempo em que colocava meus pés no chão, me permitia sonhar [Biani, obrigada!] . Eu lembro que a manhã daquele sábado nublado passou devagar, como se me desse a chance de processar cada segundo do que iria acontecer, para que eu pudesse ouvir nossas músicas e sentir mais a sua falta, e pudesse te amar ainda mais, e assim, ter mais coragem de por tudo aquilo pra frente. Eu lembro que fui pra casa, e olhei por várias vezes para celular, e disquei outras dezenas de vezes o teu número. Eu lembro que eu respirei fundo, e me preparei para falar com naturalidade, mas por dentro eu explodia de medo, de ansiedade, de vontade de ouvir tua voz. [Ah, era tanta saudade da tua voz...] Eu lembro que você não atendeu, e eu fiquei pensando se você não teria atendido por ser eu, ou porque não viu. Eu lembro que deixei o celular no quarto e fui tomar banho ouvindo aquela música que continuava sendo o seu toque e não ouvi quando você retornou minha ligação. Eu lembro que enquanto banhava eu quis chorar porque tudo que eu idealizei, toda aquela novela pra te conquistar de novo tinha ido por água. Eu lembro que engoli o choro no momento que vi sua ligação, e mais uma vez me enchi de ânimo. Eu lembro que o coração não se conteve ao ouvir tua voz. Eu lembro do quanto ensaiei o que dizer, e na hora as frases se embaralharam, mas no final das contas consegui pronunciar: “Vamos sair hoje?” Eu lembro que não acreditei quando você aceitou, lembro também do quão fiquei feliz por aquele primeiro passo. Eu lembro que aquilo seria o mais fácil. Eu lembro do momento em que você chegou, e da sensação de borboletas no estomago que tomou conta de mim. Eu lembro que fui me arrumar, e parecia que nenhuma roupa era digna daquele momento. Eu lembro que finalmente saímos, e no carro parecíamos velhos amigos que há muito não se falavam. Era muito assunto, mas tão pouca intimidade. Eu lembro que eu escolhi o restaurante, e você a mesa. Eu lembro de como o restaurante era romântico, propicio a um (re)começo. Eu lembro que você me olhava, mas disfarçava, e eu sorria pra você querendo te mostrar que meu sorriso de verdade só existe contigo. Eu lembro que pedimos nosso prato preferido, uma paella de frutos do mar, mas no final quase não comemos. Eu lembro de como a cidade estava movimentada naquela noite, e das músicas que ouvimos dentro do carro na volta pra casa. Eu lembro do momento em que você parou em frente ao portão da minha casa, e eu respirei fundo, e de um fôlego só perguntei se você queria entrar, eu nem se quer pensei que a resposta poderia ser não. Eu lembro de você respondendo tímido que sim, e pondo o carro pra dentro enquanto eu abria a porta. Eu lembro de você entrando no quarto, ligando a TV e o ar, e em seguida sentando no lado da cama que você sempre preferiu. Eu lembro do filme que estava passando, O Aviador com o Leonardo di Caprio, mas do filme a única coisa que lembro é isso, pois a minha mente estava ocupada demais pensando em uma forma de te roubar um beijo. Eu lembro que você deitou, e então encostei a minha cabeça no seu ombro sentindo o cheiro do teu pescoço que sempre foi o melhor cheiro do meu mundo todo. Eu lembro que você disse “Não faz isso...”, e lembro, pra nunca mais esquecer que nós recomeçamos ali...