sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Game Over.

Hoje pela manhã eu quebrei o chip do meu celular em dois pedaços, assim como alguém quebrou meu coração. Hoje é primeiro de outubro, daqui há 21 dias, fará um ano do dia mais feliz da minha vida. Hoje eu chorei de soluçar como há muito tempo eu não chorava.
Eu não sou santa, eu já fiz o coração de alguém que amo muito se quebrar em mais pedaço do que o meu hoje, mas a partir do momento que se perdoa, é necessário ter a mente aberta pra um recomeço. Não é isso que está acontecendo.
Onde só deveria caber amor, respeito, cumplicidade, só há desconfiança, intriga, magoa. E isso dói, porque conseqüentemente envolve um terceiro alguém que é tudo pra mim, meu filho.
Tá doendo. Porque eu queria ter uma família. Eu queria a nossa família. Queria que o Theo tivesse o pai e a mãe. Enfim, o pai e a mãe ele sempre terá, de uma forma ou de outra. Eu é que nunca poderia ter você. Deus é testemunha do quanto eu estava fazendo tudo certo, sem achar que estava sendo esforço, estava fazendo certo de uma forma natural, como acho que deveria ser, mas ainda assim não foi suficiente pra você. Eu realmente lamento, tá doendo, mas apesar de nos amarmos, acho que a nossa vez passou.