quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Em algum momento da sua vida você percebe que toda a loucura não ficou de herança só pra você. Quem sabe o sarcasmo, a pouca paciência, mas a loucura, definitivamente não. Tudo bem, uma pessoa que trabalha dozehoras por dia é facilmente justificada pela pouca habilidade de ter paciências às seishorasequarentaecincominutos de uma manhã quente como o meiodia. Maaas, pode piorar, meubem. Pode piorar.

Personagem I: Eu.
Personagem II: Imbécil Incoveniente que usa regata branca e calça jeans colada.

- Oi?
- (aceno com a cabeça)
- Essa clínica que você trabalha, basicamente trata o quê?
- Saúde Bucal. (demonstrando pouca paciência e interesse no assunto)
- E como faz para marcar consulta?
- Você liga, marca e comparece a consulta. (oi? eu não tô afim de papo)
- Pois me dê o número.
- (falo o número)
- E o seu celular?
- Hã?
- É, vai que não consigo falar por esse número, pelo menos teria outra opção.
- Você vai conseguir falar com esse número.
- E qual seu nome?
- Deni (oi? não tô afim de papo)
- O meu é Paulo César.

[pausa dramática: oi, você não tá esperando que eu dê um beijinho de um lado e de outro não, né?]

- (aceno com a cabeça mais uma vez)

[ponho os fones de ouvido para ouvir música no celular, mas ele não se deu por vencido]

- Poucas mulheres ficam elegantes de farda. E a calça cinza com essa blusa laranja combinam muito bem em você.

[pausa dramática again: Coméqueé? Tá me dizendo que eu lindaloiraaltaemagra combino com essa fardinha cinzaelaranja sem graça e sem cor?]

- Obrigada.

[ah,ônibusfilhodumaéguaquenãochega]

- Tá indo pro trabalho?

[telefone toca, misericordioso Deus teve piedade de mim]

- Oi, cunhado!
- Quer carona?
- Mais do que qualquer outra coisa na vida!
- Tô te pegando aí.

- Cunhado namorado da irmã ou Cunhado irmão do Namorado?
- Com licença que minha carona chegou.


Pra sorte do cara, hoje nem era Segunda-Feira. Senão, lamentaria por ele!