terça-feira, 14 de outubro de 2008

tudo bem que eu nunca tive muita paciência, aliás, a única paciência que eu tenho é não ficar apertando F5 como se não houvesse amanhã. não, a vida me ensinou a deixar o msn em 'offline' para que o mesmo me diga quando chegar um e-mail. de vez em quando eu aperto um F5 básico mas é só pra não perder o costume mesmo.
então, na clínica onde eu trabalho eu tenho que ser muito paciente para lidar com os pacientes. besho, me meta uma faca no peito, mas não fique pensando cinco minutos quando eu lhe dou as opções de horário da consulta com o Dr. Todo-Gostoso na quinta. ou você escolhe 8hs da manhã ou 11hs. se eu não lhe dei a opção de 9hs ou das 10hs da manhã é porque não estão disponíveis. difícil entender?
e eu morro quando o telefone toca e o cara do outro lado vem com um papo mané de "oi, é aqui é o zé mané da silva e eu, é, queria saber, porque tem consulta no dia que eu não sei e eu quero, é, saber que dia é..."
meu Deus, custa ligar pra cá, encurtar a reza e ir direto ao ponto? "Bom dia! Aqui é Zé Mané, me esqueci qual seria o dia da minha consulta, por gentileza olhe no sistema."
não sendo suficiente os zé's e maria's que me tiram do sério na recepção e no telefone, me vem uma tiazinha avó atender um celular no viva-voz logo bem aqui na primeira cadeira da sala de espera em alto e bom som.
pelo que eu ouvia, a netinha querida dela com uma voz antipática de menina chata estava dizendo que ela não tinha aula quarta. mas para a criatura dizer isso ela romantizou tudo com os 'é'... - 'não, é...' - 'é que...' que o-de-i-o! e pra completar, a velha ainda puxava assunto e eu perdendo ainda mais o pouco de paciência que o meu salário faz ter.
nada contra, mas pra quê dar celular pra velho, senhor?!