segunda-feira, 13 de outubro de 2008

se eu pudesse uma única vez, durante algum tempo, controlar tudo que se passa dentro de mim com certeza eu seria alguém bem mais feliz. se eu conseguisse dominar meus impulsos, minhas inseguranças, minhas dores e receios. se eu reprimisse certas coisas que não são nem de longe coisas ruins, mas me tornam um alguém fraco, então, quem sabe, as pessoas me achem forte e orgulhosa, no entanto eu só me acharia patética. é, o piso do meu banheiro já sentiu o salgado gosto das minhas lágrimas, e olhe que eu já sentei muito ali pra chorar lágrimas por pessoas que nunca entenderiam a minha reação. e quando chegasse alguém que realmente valesse a pena raspar meu bumbum no chão eu poderia sentir em mim uma pontinha de força e me equilabraria no restinho de orgulho e maturidade que sobrou dos anos errados, mas estou cansada demais de ver meus sentimentos, e principalmente, o meu amor serem minimizados. tudo bem, ouço 'No Promises' e escrevo 'fim' até que eu me convença que aquilo tudo nem aconteceu, pois chega a ser impossível aquele 'cara' ser este de hoje. crio coragem e abro os olhos. não acabou hoje, nem há um mês atrás. nunca começou. tudo bem, o coração é só um membro que bombeia sangue pra todas as partes do corpo, essa agonia boba é só ilusão que meu cerebro me proporciona, vai passar.
eu me despeço de você, não olho pra trás. te deixo ali, onde eu não alcance mais, junto com toda lembrança daquela história que não deu certo e que eu tanto queria viver.


fim.