segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Opa! Calma, calma que o Theo ainda está aonde deve está! Dentro da barrigota da mamãe.
Então, vamos lá. Há alguns dias eu vinha sentindo uma dores na região pélvica, mas achava que era normal, efeito dos esforços que eu andava fazendo lá na clínica. (Aliás, isso merece um post revoltante depois). Enfim, na segunda quando acordei as dores vinheram, mas ainda eram suportáveis. Quando cheguei a clínica, sentei sem ar e veio uma dor enorme, essa foi quase que insuportável! Mas eu tava sozinha, então o jeito era esperar alguém chegar ou então vê o que acontecia. A dor passou e não voltou mais tão forte, só que em certo momento eu me levantei da minha cadeira e quase não consegui ficar em pé... Chamei uma colega da clínica, comecei a chorar porque a dor estava insuportável, ela ligou pro Bráulio e a correria começou. Eu não conseguia nem me pôr em pé! Como o Bráulio não chegava, a Dra. Mirella me pós no carro e me levou para maternidade. No caminho ligamos para o Dr. Marcello, mas ele estava viajando. Me encaminhou para uma obstetra amiga, Dra. Karla Eulálio que diga-se de passagem me atendeu muitíssimo bem e me tranquilizou bastante. Ela ouviu o coração do bebê, fez o dolorido toque e constatou que apesar de não ter dilatação, o útero estava baixo e com a 'entrada' um pouco macia (o que é propício para dilatação). Passou o Inibina de 6/6hs e mais Buscopan para as dores. Lógico que eu rumei para casa da minha mãe, ninguém melhor do que ela para cuidar de mim e do meu filhote. Repouso absoluto era o lema!
Na terça feira a tarde, me dispedi do Bráulio que ia pra faculdade e fui ao banheiro. Urinei sem sentir nenhum desconforto ou dor e ao me levantar vi que havia pingado sangue no chão. Senti um desespero enorme, mas consegui manter a calma. Chamei pela minha mãe e pedi que ela ligasse pro Bráulio e pedisse que ele voltasse. Minha mãe estava ainda mais nervosa que eu. Fomos para maternidade e por sorte o plantão da Dra. Karla havia começado naquele instante, ela me examinou e preferiu me internar para que eu tomasse as doses de corticóide para o amadurecimento do pulmão do Theo. Eu nunca me senti tão impotente, tão estúpida, tão fraca por estar ali, correndo o risco que meu filhote nascesse com apenas 32 semanas. Eu me culpei durante todo o discurso que a Dra. Karla fez de que tudo daria certo. Dei entrada na maternidade para observação às 19hs de terça (01/9), fiz vários exames na manhã seguinte para descobrir a causa do sangramento juntamento com a ameaça de parto prematuro. Na quinta, às 11hs tive alta e a recomendação do repouso absoluto. Fiz uma ultrassonografia na maternidade e foi constatado que o filhote está apenas com 2kg. Precisa engordar mais um pouco, e só então pode pensar em nascer. Dr. Marcelo chegou ontem e já fui me consultar, ele me deu um atestado de 15 dias e em seguida daremos entrada ao pedido de afastamento.
Enfim, agora é só ficar o mais quietinha o possível, conversar bastante com esse rapazinho apressado para que ele espera mais 4 semanas!
Obrigada por toda a preocupação, meninas! Não havia dado notícias antes porque aqui em casa foi uma correria para reformar os quartos e agilizar ao máximo o que fosse possível para o Theo chegar com tudo no lugar. Meu pai colocou o computador no quarto da minha irmã e a internet simplesmente não entrava. Problema que foi resolvido hoje! Ou seja... Voltaremos agora com as postagens mais frequentes!
Adoro vocês!