terça-feira, 22 de setembro de 2009




Eu sou a música que um estranho tocou há alguns anos atrás para me conquistar. Eu sou também tantas outras músicas que ouvimos juntos. Eu sou os lugares que fomos, que passamos, que visitamos, que guardamos de alguma forma dentro de nós. Eu sou o vento, o tempo ameno, o cheiro da chuva dentro daquela rede verde, quando ainda éramos só nós dois. Eu sou a sinceridade do teu “Eu te amo”. Eu sou o desequilíbrio do teu equilíbrio. Eu sou aquela vontade de um instante mais, de um suspiro a mais, de um segundo a mais. Eu sou o beijo mais romântico de todos os mais belos romances que já vimos juntos. Eu sou aquela palavra que você sempre quer escutar. Eu sou a sensação de tranqüilidade no nosso abraço. Eu sou a saudade quando o celular toca. Eu sou seu tudo, seu mundo, seu eu. Eu sou a nossa família. Eu sou bem mais do que as palavras podem explicar.
Mas, por mais que eu seja, Bráulio, nada vai superar o que você é pra mim.