segunda-feira, 4 de julho de 2011

♥ Jogos de Amor são pra se jogar.

Você me fala no futuro do pretérito, mas meus ouvidos, meu coração ou qualquer outras parte boba de mim preferem o futuro do presente. Sempre vai ser a primeira pessoa do plural, mesmo que você me diga que não dá mais, que não pode ser, que a ‘nossa música nunca mais tocou.’ É como um jogo onde constantemente as regras vão mudando conforme a minha vontade. E pra quê maior prova do que bate aí dentro do que você ainda ser efetivamente sempre o melhor jogador?
Você sempre vai me dizer “não” com um “sim” estampado no olhar. Eu nunca deixei de ser o número um da discagem rápida do teu celular. Teu toque sempre vai ser diferente dos outros, e estaremos sempre distante de um “game over”.

“Até parece que tudo o que eu fiz foi ruim, mas só sei que estou melhor assim...”