quarta-feira, 18 de maio de 2011

Atenção: Esse post pode conter spoilers dependendo do seu nível de percepção. E não, eu não estou lhe chamando de retardado.

Fazia inexatos três anos que eu não ia ao cinema. Se eu fosse mais dramática diria que a última vez que fui foi na estréia de “O Auto da Compadecida” quando o Teresina Shopping só possuía três salas de exibição e se localizava onde hoje é o Banco do Brasil. Detalhes que só piauienses saberiam, tornando essa parte desnecessária.
Enfim, ontem assisti “A Garota da Capa Vermelha”, e pela lavagem cerebral que a Warner fez em mim transmitindo o trailler a cada intervalo da programação, eu esperava mais. Sabe? Não, não que o filme não seja bom. Ele é. Tem contrastes com a história original e um pouco de sexualidade.

Todos querem jantar a Red Cape. Todos.
Tem todo aquele suspense de saber quem diabos é o lobo. Aliás, isso eu achei bem chato, a todo o momento alguém é o suspeito da vez. A vovó, a mamãe, o noivo corno, o lenhador que usa gel no cabelo, o padre, o autista, a amiga invejosa. Mas no fim das contas, o lobo surpreende, e a Red Cape mais ainda. Safadinha.

Próximo filme: Thor. Porque eu quero mesmo é babar no Chris.